quarta-feira, dezembro 12, 2012

DVDteca



Caros cineclubistas e amigos,
 
É com um enorme contentamento que anunciamos que a DVDteca, que se encontrava suspensa há mais de ano e meio por razões diversas, foi reposta na Bibilioteca da FDUP (cujo catálogo pode ser consultado on-line). Significa isso que, desde ontem, podem novamente os estudantes da FDUP pedir de empréstimo, sem quaisquer custos, qualquer um dos filmes integrantes do espólio propriedade do Cineclube, o qual aloja não só todos os filmes passados nas nossas sessões, como outros avulsos que fomos juntando ao longo dos anos, fruto das amáveis dádivas dos amigos do Cineclube.
 
Dádivas, essas, que continuamos, naturalmente, a aceitar de bom grado! Por isso, se tiverem filmes repetidos, ou se, pura e simplesmente, acharem que determinado(s) filme(s) faz(em) mais falta numa biblioteca universitária pública como forma de estimular o pensamento crítico e o acesso à arte a milhares de estudantes, basta enviarem email para cineclubefdup@gmail.com.
 
Depois da sessão dupla de ontem, o Cineclube interrompe a sua programação até Fevereiro, momento em que voltaremos para mais um grande semestre de cinema. Até lá, bons filmes!

segunda-feira, dezembro 10, 2012

SESSÃO DUPLA: "AMOR E REVOLUÇÃO"


Design: Teresa Show

Como já vem sendo tradição, o Cineclube FDUP oferece, em vésperas natalícias, uma sessão especial aos seus associados e simpatizantes. "Amor e Revolução" é o pretexto para uma sessão dupla que contará, pelo meio, com um lanche, e onde será feita uma recolha de contribuições para ajudar o Cineclube no prosseguimento na sua missão de divulgação e compreensão do Cinema no meio universitário.

Por isso, esta terça-feira, a partir das 18h, na sala 0.01 (piso do bar), começaremos com "Antes da Revolução" (1964, Bertolucci), faremos uma pausa para lanche e terminaremos com "Zabriskie Point" (1970, Antonioni). Dois filmes que apelam à reflexão sobre o papel dos jovens no terreno político - e tema mais actual não podia existir - e sobre a forma como essa busca pode chocar com outras "buscas": o amor, o crescimento e a descoberta de nós mesmos, o alheamento puro e simples do mundo, o sonhar com uma utopia que não passa necessariamente pelas ideias políticas, entre outras.

Como sempre, o convite é tranversal: sócios, simpatizantes, amigos de amigos, estudantes e não-estudantes, todos estão convidados para um momento de convívio. Até lá!:)

domingo, novembro 25, 2012

27 Nov.:"Sombras dos Antepassados Esquecidos"



                                  Design: Teresa Chow
                                           
O Cineclube encerra, esta terça-feira, a sua programação regular com o filme Sombras dos Antepassados Esquecidos (1965), de Sergei Parajanov. Pelas 18h15, na sala 0.01. Todos convidados!

Oportunidade, ainda, para anunciarmos o nosso modesto presente natalício. Até lá!

terça-feira, novembro 20, 2012

In the mood for love



Desta parte ninguém se esquece!

Low Tide, LEFFEST'12


Sobre um dos filmes do LEFFEST' 12 para o qual o Cineclube FDUP ofereceu bilhetes, Nuno Galopim escreve aqui, descrevendo-o como um dos melhores filmes que viu nesta edição do festival.

"Segundo filme de Roberto Minervini, Low Tide é um olhar de poucas palavras construído em volta do dia a dia de um rapaz de 12 anos, algures numa pequena cidade americana (pela cena final, imaginamos que seja no litoral), durante os meses de Verão. Nas primeiras imagens vemo-lo a andar de bicicleta, dela saindo para apanhar uma cobra que vira entrar numa fissura no solo. Nos minutos seguintes transporta e arruma gelo, faz uma máquina de roupa... E só passado um quarto de hora uma voz rompe o silêncio de palavras. É a mãe, que no seu jeito indolente, lhe pede uma cerveja.

Ao longo dos cerca de 90 minutos do filme pouco mais vemos do que o quotidiano do rapaz e o mundo de contrastes da mãe (que de dia trabalha num lar de idosos, contando com a ajuda do filho que por ali almoça, e vive noites ruidosas de festa entre amigos). Mais de gestos de palavras, Low Tide é também mais feito de olhares que propriamente de uma trama. A câmara de Roberto Minervini aproxima-se por isso de um registo documental, procurando observar sem interferir, estudando o espaço, reparando nas rotinas, sugerindo que, além delas, pouco mais há naquelas vidas. E o aparente espaço de liberdade total que parece existir na vida do pequeno protagonista é, afinal, pouco mais que um terreno em potência onde parece que nada de novo ele próprio já espera que aconteça.

Destacando-se pelo cruzamento de uma linguagem documental com uma ideia minimalista de ficção, Low Tide tem como potenciais focos de interesse a espantosa interpretação do protagonista (Daniel Blanchard ) e uma demanda que parte da sugestão de uma muito ténue linha narrativa que vive sobretudo do tempo que passa, daquele lugar e suas personagens. E tal como o realizador ali não procurou mais (nem sequer o nome da mãe e do filho), não queiramos nós encontrar aqui o que aqui não está."

quarta-feira, novembro 14, 2012

Doclisboa'12: Roman Polanski: A Film Memoir



Crítica por: André Guerreiro

Embora seja apresentado como um documentário, só o é na sua definição mais restrita – em primeiro lugar, por não existir uma frieza analítica subjacente ao normal distanciamento proporcionado pela imparcialidade jornalística, pelo facto de a entrevista ser conduzida pelo seu amigo de longa data (apesar de ser filmada várias vezes a lareira introduzindo uma ideia de quão familiar está a ser a conversa, sempre uma lovely referência). Não significa necessariamente que estejamos perante um bias, porém. Enquanto vamos avançando no filme e,consequentemente, no detalhar dos infortúnios vividos por Polanski, percebemos que este filme constitui quase um direito de resposta de um individuo perante uma ordem natural e social que em nada foram fáceis para ele.
Torna-se também díficil rotular este filme de documentário quando é, essencialmente, uma longa entrevista pontuada com elementos visuais algo óbvios e literais (e melosos efeitos, diga-se, prestando uma memoir também ao powerpoint).
Ora, uma das valências anunciadas do filme seria o entrecruzar  o depoimento de Polanski retratando a sua própria existência e a correlação existente com os filmes que fez, explorando o normal e esperado acto de transpor, mesmo que inconscientemente, algo do ADN vivencial para a obra do artista. Esta premissa automaticamente afastar-lo-ia dos genéricos trabalhos documentais que se limitam a detalhar informações facilmente alcançáveis na memorabilia de dados que é a Internet. Na verdade, tal premissa está muito mal concretizada, sendo que só atinge a sua plenitude quando determinados momentos da vida de Polanski encontram suporte físico nos seus filmes, como no caso do seu pessoalíssimo O Pianista. Não deixa de ser interessante/agonizante perceber quão reais são os eventos do referido filme, porém, e é gerador de lágrimas percebermos o limite entre a ficção e a simples autobiografia.
Já nos restantes filmes que compõem a obra deste autor, só nos é dada uma ligeira contextualização do status quo de Roman Polanski na altura do lançamento de cada um.
Outra falha que se poderá apontar a este filme passa pelo estilo deficiente de entrevista de x, manipulando Polanski para uma realidade bem menos agressiva dos factos, fazendo parecer que todas as dificuldades de vida do realizador sejam uma desculpabilização do erro de Polanski, a suposta violação de uma menor .
Para além disto, X tem também um desejo desproporcionado de aparecer, quer seja pela quantidade de vezes que força a sua cara e expressão nos planos, ou pela necessidade incessante de acabar as frases de Polanski.
Embora estas falhas retirem alguma validade ao filme propriamente dito, à film memoir, a verdade é que dispõe de uma vantagem óbvia, que é dar-nos a possibilidade de assistirmos ao discurso directo de alguém tão interessante quanto Roman Polanski.
Este teve uma vida que, se fosse ficcional, seria com certeza acusada de ser um melodrama exagerado, cheio de negros twists. Desde a tocante descrição da vida no bairro judeu (sendo que bairro soa a eufemismo suburbano para tão real segregação), com toda a luta pela sobrevivência e perda que iriam influenciar mais tarde as suas opções de vida e, paralelamente, influenciar a escolha de direcção artística(mormente o facto de parecer uma redundância, há mais num homem que a sua história pessoal, como prova o seu ecletismo no que a géneros fílmicos diz respeito), até ao assassinato da sua esposa grávida por parte do gang de Charles Manson (exactamente o mesmo destino que a mãe dele sofreu pelas mãos das SS, único elemento coerente na aleatoriedade trágica da sua vida).
Temos, portanto, um detalhar de todos os infortúnios vividos por Polanski, que acabam por se confundirem com a própria vida deste, pelo facto desta se ter desenrolado sempre através da reacção a tragédias. Tristemente, quando houve algum exercício de livre arbítrio, foi consubstanciado na violação de uma menor, como já dissemos. Este acaba por ser um momento central do filme, porque Polanski evita o assunto no que diz respeito a motivações, preferindo focar-se na perseguição mediática a qual foi sujeito, surgindo também na persona de vítima. E talvez seja, em parte. Mas verdadeiramente importantes não são estas situações que irão ver  a sua importância diluída no tempo. O que acaba por ser importante é que temos aqui a dimensão humana de um realizador responsável por grandes obras, e um homem eloquente, cândido e sentimental. Se errou, ou se o universo errou com ele, serão só valorações que se dissiparão com o peso da importância do que criou.

Doclisboa'12: News From Home, Chantal Akerman


Crítica por: André Guerreiro

News From Home é uma obra absolutamente pessoal de Chantal Akerman. Por mais óbvia que pareça esta afirmação, a verdade é que nunca a vemos, nem há outras personagens que a representem como medium figurado ( como, por exemplo, nos trabalhos mais recentes de Woddy Allen, em que há uma transferência da sua persona para outro actor, outra realidade)
  É necessário atender ao contexto vivencial de Chantal Akerman para não confundir este filme com uma ode visual à America suburbana, qual início de Down By Law de Jim Jarmusch: Chantal, originária de Bruxelas, decide ir viver para os Estados Unidos, mais concretamente para Nova Iorque.


Como qualquer jovem que viva em saudável contacto com as autoridades parentais, Chantal recebia cartas da mãe a descrever assuntos familiares e a esgrimir as genéricas preocupações relativamente à vida da filha: Frio; fome;saúde; cabelo novo?Fica-te bem;amigos. Esta situação de temporário exílio e a manutenção de contacto com a sua anterior realidade alimentam de substrato humano o que conceptualmente é muito simples: longos planos da cidade americana entrecruzados com a leitura, em voz off, de Chantal do conteúdo das cartas da progenitora, representação ulterior de tudo o que conhecia e lhe era familiar.

O que torna este filme tão pessoal não é apenas o facto de serem concretamente as cartas da mãe de Chantal a serem lidas por Chantal, mas o que nos é deixado ver e ouvir ao mesmo tempo. Este voyerismo (que parece em tempo real) de algo tão intimo como a correspondência familiar está submergido não da glamourosa Nova Iorque, mas sim de paisagens desoladas, naturezas mortas de uma sociedade cinzenta. Vemos, portanto, a cidade, mas através do olhar de Chantal.
Percebemos, então, a sinestesia existente entre o que o olhar estranho e frio (real?) de Chantal opta captar da cidade e os sentimentos sobre ela, sabendo assim que Chantal sofre. Sofre da quase inevitável alienação urbana e o anonimato traduzível quer nas ruas vazias à noite quer no metro cheio de gente, onde os sons maquinais que todos ouvem são o único elemento comum a todas estas vivências e identidades tão dispares, que deixam de ser importantes na sua individualidade.  A própria voz da mãe e, consequentemente, a ligação familiar, começa a perder volume e intensidade, vergando-se perante a inevitável força negativa da distância e do meio urbano.

Esta tese de estarmos a receber a própria valoração da vida de Chantal por telepatia visual com esta é confirmada no final do filme, num longo plano filmado desde um barco, que lentamente ,afastando-se da paisagem nova iorquina, demonstra o finalizar da experiência e o regresso a casa.

Doclisboa'12: Lucky Three, Lucky Three: an Elliott Smith Portrait – Jem Cohen


Crítica por: André Guerreiro


Esta lindissíma curta tem como objecto Elliott Smith e o seu eu transplatado em canções, mais concretamente três musicas (e é aqui que reside a referida beleza da curta) : Angeles, Between The Bars e Thirteen, tudo clássicos, ainda que esta última tenha sido apenas editada em álbum póstumo.  
Como já referido, pouco mais acontece aqui que a beleza crua das canções, apesar de alguma footage do artista a caminhar e a conduzir pela cidade, no clássico estilo de Jem Cohen. Não há aqui um olhar compreensivo sobre Elliott Smith ou alguma consideração sobre a vida deste, mas quando as músicas são tão rendilhadas de sentimentos e profundidade emocional que palavras para além das que canta não se tornam necessárias.

Doclisboa'12: La Chambre, Chantal Akerman


Crítica por: André Guerreiro

Curta experimental (naquele sentido clássico em que não compreedemos muito bem o objectivo, se há algum, subjacente às simples imagens que vemos) de Chantal Akerman. Talvez o erro seja precisamente a procura de um significado além do encapsular de determinada realidade, embora talvez nos aborecessemos se não encontrassemos um propósito maior.

  Diga-seque o nome da curta constitui um spoiler compreensivo de toda a acção, sendo o quarto tudo o que a camara regista, em flutuante rotação de 360º sobre o mesmo. A única acção estranha ao elemento espaço, é o facto de Chantal se encontrar no quarto e, por vezes, trincar uma maçã.

 La Chambre, não deixando de fazer sentido com a restante obra de Chantal Akerman no que diz respeito à percepção do espaço e a integração do elemento humano neste, não conseguimos deixar de vê-lo como um exercício menor.

Doclisboa'12: Hotel Monterey, Chantal Akerman


Crítica por: André Guerreiro
Por muito que os filmes de Chantal Akerman possam divergir no enredo, e na acção objectiva que apresentam, nunca estão apartados de uma consciência do espaço de onde se desenrolam, quase como se fossem reflexo da vida do ser que albergam.  Em Hotel Monterey o espaço arquitéctonico não funciona como mais um elemento subtil de interpretação psicológica de uma determinada personagem, mas sim o unico elemento de caracterização existente, retrato de uma flutuante multidão anónima. A solidão do simples passageiro que nunca parte porque outra figura abstracta preenche o seu lugar, não há nomes, nem caras, no Hotel Monterey. Apenas a construção, em tempos com certeza grandiosa, mas agora desolada e esquecida, por mais que ainda em funcionamento. As paredes despidas e os cantos vazios demonstram a ausência de pessoas e longas estadias; são nos sítios de passagem encontramos alguma moldura humana. No elevador, nos quartos, onde param homens que não se mexem, ainda que num longo plano, se revelam quase como mobília do local : provavelmente um empregado. Mesmo Chantal (vemos apenas suas costas) aparece e desaparece de um quarto, mesmo ela é mais uma transeunte sem cara.

Para reforçar o sentimento de isolamento metafórico, o som está absolutamente ausente deste filme, nem sons ambiente que nos distraiam da propositada ausência de acção. São 65 minutos de quasi-retratos Hopper-like de um realismo urbano, consubstanciando a alienação da vida moderna americana (tal como era objectivo de Hopper, também). A partir dos 30 minutos, a camara começa a mover-se, e a desenhar esboços de travellings até ao que pode chamar o ponto de fuga das imagens que apresenta, até ao climax final, a fuga do prédio e o acesso à skyline americana.

Argumentam os detractores do filme que este não é mais que uma aborrecida colagem de imagens sem um objectivo prático, a verdade que este, por mais que seja marcado pela ausência de narrativa, não deixa de ter algo para dizer. E como é belo o cinema que mesmo com o movimento que o caracteriza estando algo ausente, consegue transmitir tantas ideias, pelo facto de escolher objectivamente representar as naturezas mortas tal como elas são.

Doclisboa'12: Genesis Encore Cascais 75

 
 

Crítica por: André Guerreiro

Tendo como móbil a vinda dos Genesis a Portugal em 1975, em pleno PREC, Genesis Encore Cascais 75 retrata e contextualiza toda uma geração de jovens, e de como a liberdade paulatinamente se iria revelando através da cultura e do acesso a esta. Diga-se desde já, que ser fã ou não de Genesis não interessa quase nada, interessando apenas, talvez, para partilhar o entusiasmo com os entrevistados.
Ultrapassando o problema de não existirem gravações video do concerto (apesar das gravações piratas de audio, que nos são aleatoriamente apresentadas durante o filme) com bem humoradas entrevistas a clássicos do mundo da música portuguesa e afins, tais como elementos dos Xutos e Pontapés, aparecendo como representantes das suas personas adolescentes relembrando todo o contexto em que se inseriu tal evento.

O ponto chave deste filme é obviamente a memória. A memória na sua acepção mais lata, de efectivamente aquelas pessoas entrevistadas se lembrarem perfeitamente de imensos pormenores do concerto e daquele dia, tendo sobrevivido à inevitável erosão que a selecção de memória proporciona, mesmo à mais bela recordação. Também é invocada (naquele epílogo algo desinteressante) a memória na sua acepção mais nobre e histórica, relativamente à necessidade de preservar a memória como se património de um povo se tratasse. Também, reforça a necessidade de preservar não apenas as instituições mentais, mas também as físicas e concretas, como o Dramático de Cascais, que albergou este e tantos outros históricos concertos, estando prestes a ser demolido.
Quer tenhamos vivido tal época, quer não, é sempre importante nunca o esquecer um passado recente, tão contextualizador é do presente e de todo o eventual futuro. Portanto, importante se torna ver este filme e manter tais eventos na memória colectiva.

Doclisboa'12: Tomorrow we Move, Chantal Akerman


Crítica por: André Guerreiro

Primeiramente, é importante congratular o DocLisboa e a Cinemateca (embora esta mereça um agradecimento vitálicio pela mera existência), pela oportunidade incrível que é a revisitação da obra integral de tão importante cineasta como Chantal Akerman .
Embora estivessemos a referir-nos à obra integral de Chantal, nunca pensariamos estar perante uma obra em particular que fosse tão integral quanto esta, no que diz respeito à sua falsa digestão. Para quem apenas tinha tido o prazer de ver Je, Tu, Il, Elle e Le Rendez-vous de Anna anteriormente a este ciclo, filmes caracterizados por longos e introspectivos silêncios, reflectindo alguma falta de sentido e direcção das personagens que serviam um propósito maior, de ilustração de algum vazio existencial do ser humano e, consequentemente, das relações que estabelecem entre si, nunca imaginaria ver um filme deste género, uma comédia ritmada, que ameaça tornar-se em musical a cada segundo. Embora tal nunca chegue a acontecer, e as palavras nunca cheguem a ser cantadas, ainda imperam, e são o maior veiculo de comunicação do filme.

Para além deste inesperado choque térmico de mood fílmico, começamos progressivamente a habituar à substituição da crueza  flagrante dos anteriores filmes para uma mais ligeira abordagem ao que podemos considerar problemas clássicos constantes da obra de Chantal Akerman, o isolamento do ser humano, quer face à plasticidade das relações, quer em relação ao isolamento como uma necessidade, para a prossecução de um determinado objectivo artístico. 
Objectivamente, temos a história de uma mulher-Catherine – que, na direcção inversa à uterina, muda-se para o duplex da filha Charlotte, devido à morte do marido. Consigo traz uma quantidade desproporcionada de bagagem, quer física quer emocional (sendo que a mala com que não dispensa dormir, repleta de antigos bens domésticos do marido, como cuecas e maquina de barbear, transformadas em preciosas memórias pelo toque de midas mental no sobrevivo que a morte constitui, representa bem a união destas duas dimensões), que desorganiza a vida da filha. Quando o que a filha mais precisa é uma reclusão artística, por não estar a conseguir escrever o livro erótico que lhe está encomendado. Por mais que procure no mundo que a rodeia o erotismo que lhe falta na criação mental, a mãe é uma das únicas fontes que rejeita, pelo facto na hierarquia feminina que definiu tacitamente para ela, surgir  primeiro mãe antes que mulher de plenos direitos.  Esta demonstração da sexualidade latente ser corolário óbvio de ser humano (isto já seria obvio pela nossa existência ser um extravasar dessa sexualidade latente, pondo a questão em eufemismos crípticos), surge logo na primeira cena do filme: ouvimos Catherine, desde fora de plano, a dar instruções relativamente ao transporte do piano para a sua nova casa, em tom ansioso.Quando a transladação se dá de forma bem sucedida altera-se o registo da voz, e a mudança para pequenos gritos de excitação combinada com os picos do sismógrafo respiratório dão origem a uma não-tão-subtil-assim analogia com um orgasmo.

 A diferença entre fuso horário de vida e necessidades entre as duas mulheres gera uma outra necessidade em Charlotte: a da mudança. Tal predisposição encontra uma real oportunidade prática quando esta conhece Popernick, agente imobiliário. Como eventualmente se torna óbvio, este é outros pontos absolutamente essenciais do filme (e tematicamente, como já referido, do cinema de Chantal): a mudança, o acto de procura de uma casa representam figuradamente o sentimento de exílio permanente, e a importante correlação entre o local de habitação e a identidade pessoal e cultural do sujeito. Tais realidades são evidenciadas em vários momentos centrais do filme, tais como o da descoberta de um apartamento decente para Charlotte viver, mas que devido à desinfecção que foi alvo, emana um cheiro que despoleta recordações das camaras de gás dos campos de concentração em Popernick, sobrevivente do Holocausto. Outro importante exemplo dá-se quando Cathrine e Charlotte tentam vender o duplex e surgem todo o tipo de casais, que representam o positivo e negativo das relações permanentes, tal como representam o facto da mudança de casa significa uma alteração das circunstâncias de vida e do relacionamento (Why put a new adress on the same old loneliness?, cantam os Songs:Ohia, e adequa-se perfeitamente, embora não estando na banda sonora do filme). Todas estas pessoas e relações são alegorias, mas complexas e reais, ao ponto de não parecerem carregar o peso do estereótipo fácil normalmente associado à comum alegoria. Desde o casal que em nada concorda mas que tem medo de existências não compartilhadas; a uma mulher grávida infeliz com a sua situação e com o seu overly-sexual marido; ao casal absolutamente neurótico que julga milimetricamente todos os elementos da casa, e imagina-se, cita leis e regulamentos. Engraçado se torna quando todas estas figuras se juntam e tentam cumprir a normalidade social.
Com todas estas camadas de alguma infelicidade doméstica, dos seus apêndices relacionamentais e da sua indissociável habitação, alguns padrões de felicidade e mudança de sorte aparecem também. Porque, tal como a casa, talvez amanhã encontremos algo melhor, talvez amanhã possamos ser felizes, onde quer que seja.

Cineclube FDUP no Doclisboa'12

 


O Cineclube FDUP marcou presença no Doclisboa'12 e aqui está o resultado: sete críticas bem fresquinhas, escritas por André Guerreiro.

Se também foste, envia-nos as tuas críticas, comenta, expressa-te! Caso ainda não tenha sido desta que marcaste presença no festival, esperamos pelo menos deixar-te com água na boca.

PASSATEMPO LEFFEST


Temos vencedores!
Ao passatempo lançado pelo Cineclube FDUP no passado domingo a resposta seria Monte Hellman. Assim, deixo aqui a lista de vencedores dos bilhetes oferecidos para o Lisbon and Estoril Film Festival.

Tânia Alexandra Leal da Silva Dias
Jorge Manuel da Silva Morais
Ana Isabel Macedo Falcão Fernandes
Rui Humberto Elisabeth Viegas

Bons filmes e bom festival!

segunda-feira, novembro 12, 2012

O SABOR DA CEREJA

 

Design: Teresa Chow
 
 
É já esta 3ª feira, dia 13 de Novembro, que o melhor cinema da UP regressa à sala 0.01 (piso do bar), da Faculdade de Direito, com O SABOR DA CEREJA(1997), de Abbas Kiarostami, Irão.
 A sessão tem início às 18h15.
 
Não percas, até lá!

domingo, novembro 11, 2012

Quem quer ir ao LEFFEST?


O Cineclube FDUP associa-se ao Lisbon and Estoril Film Festival (LEFFEST), tendo 4 bilhetes para oferecer. Aos primeiros a responderem à pergunta "Qual o realizador a ser homenageado hoje - domingo, 11 de Nov. - no LEFFEST?", para o email do Cineclube FDUP será atribuído um bilhete individual para o Festival. A resposta deverá ser acompanhada do nome completo.


Estes bilhetes destinam-se às seguintes sessões:

2 bilhetes individuais para Low Tide, Roberto Minervini, sexta 16 de Novembro, às 19h
2 bilhetes individuais para Rengaine, de Rachid Djaidani, sexta 16 de Novembro, às 22h.



 


Participa!

quarta-feira, outubro 31, 2012

Vai ao Lisbon and Estoril Film Festival com o Cineclube FDUP


O Cineclube FDUP associa-se ao Lisbon and Estoril Film Festival, realizando um passatempo no blog e no facebook, através do qual poderás ganhar bilhetes diários para o festival. Fica atento, o passatempo será lançado em breve, mal o cartaz esteja fechado!





"A 6ª edição do Lisbon & Estoril Film Festival vai decorrer este ano entre 9 e 18 de Novembro.
À semelhança das edições anteriores, o Lisbon & Estoril Film Festival pretende ser um ponto de encontro entre o público, realizadores, conceituadas personalidades do mundo das artes e um palco permanente de discussão, reflexão, debate e acima de tudo, um espaço onde se descubra ou redescubra a Arte Cinematográfica.
Entre 9 e 18 de Novembro vamos trazer a Lisboa e Cascais: Galas, Filmes, Exposições, Concertos, Performances, Masterclasses, Leituras e um Simpósio Internacional, tendo já confirmadas as presenças de reconhecidos atores, realizadores, artistas, estilistas."

Até breve!

segunda-feira, outubro 29, 2012

Alteração da programação: Meet John Doe, Frank Capra





Infelizmente, por razões logísticas iremos alterar novamente a programação. Ao contrário do que é habitual, passaremos um filme que não consta da programação geral do Cineclube FDUP para este semestre.
 Neste sentido, dia 30 de Out., pelas 18h15, na sala 0.01 o Cineclube FDUP apresenta Meet John Doe, um filme de Frank Capra, 1941, EUA.

Novamente apresentamos as nossas desculpas pela alteração inesperada do filme, esperando que tal não impeça a vossa presença.

Até terça e bom filme!

domingo, outubro 28, 2012

30 Out.: "O SANGUE"

Design: Teresa Chow

Esta terça-feira, dia 30 Out., o Cineclube FDUP exibe, pelas 18h15, na sala 0.01 (piso do bar), O SANGUE, primeira obra de Pedro Costa, e filme-referência da geração de realizadores portugueses emergente nos anos 80 (além de Costa, João Canijo, João Botelho, Teresa Villaverde), que bebeu, em parte, os ensinamentos e a linguagem do "Cinema Novo" dos anos 60 (César Monteiro, Paulo Rocha, Fernando Lopes).

Ao contrário do que consta do cartaz, não passaremos, por razões logísticas, "Sombras dos Antepassados Esquecidos", cuja exibição fica, assim, adiada para dia 27 de Novembro. Por esse motivo, os Cineclube pede, desde já, as suas desculpas.

Até terça!

quinta-feira, outubro 18, 2012

doclisboa 2012



De 18 a 28 de Outubro, a 10ª edição do doclisboa 2012 volta a trazer o melhor do documentário mundial a Lisboa, com filmes, conferências, debates, masterclass, workshop e uma valiosa retrospectiva da obra de Chantal Akerman. Mais info. no sítio oficial: http://www.doclisboa.org/2012/

O Cineclube FDUP marcará presença e convida todos os seus associados e simpatizantes a fazer o mesmo!

Bons filmes!

domingo, outubro 14, 2012

16 de Outubro no Cineclube FDUP: "CONTOS CRUÉIS DA JUVENTUDE"

Design: Teresa Chow

Esta Terça-Feira, dia 16 de Outubro, pelas 18:15, na sala 0.01, o Cineclube FDUP apresenta CONTOS CRUÉIS DA JUVENTUDE, um filme de Nagisa Ôshima, 1960, Japão.
A entrada é gratuita, aparece!

segunda-feira, outubro 08, 2012

Crítica "F, de Fraude"


Aqui fica a crítica a F, DE FRAUDE (Orson Welles, 1972), pelo André Guerreiro.



Orson Welles catalogou o filme F For Fake de “a new kind of film”, e podemos perceber porquê, quando tentamos cometer o perigoso acto de tentar rotular de forma padrão este filme. Podemos atender ao facto de cada apropriação da realidade na forma de celuloide ser um tipo de mentira, que a própria essência do cinema é ser uma ilusão de realidade, por mais que se tente aproximar desse absoluto. Ser mais que um afloramento artificial de uma realidade que não pode ser encapsulada porque limitada a um tempo próprio, apenas podendo ser reinventada, reinterpretada pelo indivíduo, com todo o esbatimento e valoração que a percepção de cada um selecciona. E é exactamente por esse facto,  pelo facto da realidade se tornar apenas arrogante sinónimo de percepção individual quando atinente à valoração de algo tão indeterminado como a arte, dificilmente chamaremos a F For Fake um documentário. Pela forma livre como desconstrói o que essencialmente podemos chamar de todo um grande truque de magia, porque combina elementos verdadeiros (como será a carne dos participantes e os supostos factos reais, por na consciência colectiva serem dados como provados) e ficção, ilusão, mentiras, a manipulação de tudo o que vemos, mesmo desses factos verdadeiros. E é assim mesmo que começa o filme. Orson Welles, actor na pele de um mágico, diringindo-se a uma criança (que poderá simbolizar a clássica ingenuidade do espectador permeável a qualquer mentira que lhe possam impingir quando exposta num determinado formato artístico) demonstra o seu poder de transformar a realidade, na forma de uma chave que dá lugar a uma moeda, voltando a ser uma chave. Todo o tipo de metáforas poderiam ser diagnosticadas nesta pequena introdução, embora Orson Welles nos diga que a “chave não é um símbolo”. A chave, que mereceu tanto ênfase, e que tanto focamos a nossa atenção, embora distraídos pelos sucessivos cortes e mudanças de planos, demonstra-nos exactamente a exagerada tendência de imbuir simbologia num mero objecto, que pensamos representar algo mais que a sua simples existência objectiva. Tal processo de preencher um vazio com um exagero de significado, e a facilidade com que a nossa percepção é conduzida por uma outra visão, sem questionar, é importante para as questões que mais tarde serão colocadas em relação à arte, e à sua validade e seu mercado, que são controlados também pela visão de inquestionável autoridade, na figura dos experts. Em ultima análise, ocorre o mesmo com o cinema, pois a edição, mecanismo consubstanciado nos rápidos e fluidos cortes que funcionam como um mosaico onde as peças apenas são unidas pela volátil argamassa da realidade, funcionam como um truque de magia. A nossa visão e posterior entendimento são manipulados, sendo-nos permitido apenas uma visão parcial do que está a acontecer/aconteceu realmente. Na cena inicial, vemos o truque de magia na sua forma perfeita, tal como mais tarde veremos os factos que formam a história propriamente dita, mas Welles permite-nos ver a moldura dessa realidade: a camara, a equipa de produção, as luzes, a tela branca. O próprio cinema é um truque, mas os objectos e os factos não deixam de existir, tal como a chave não perdeu a sua materialidade.

Embora todas estas questões sejam imediatamente visíveis nos primeiros minutos de filme, a principal camada cutânea deste camaleónico filme em termos de guião é o documentar da vida de o provavelmente maior falsificador de arte do século XX, Elmyr de Hory (sendo este apelido também camaleónico, se entendermos a justiça e a polícia como o predador).  Elmyr, emigrante hungaro ficou conhecido por forjar na perfeição quadros de mestres como Picasso, Matisse, ou Modigliani, nunca tendo sido reconhecido nos trabalhos em que assina o próprio nome. Talentoso ao ponto de conseguir passar-se por uma miríade de artistas dignos de eterno reconhecimento, mas nunca reconhecido como um artista de direito próprio. Pode Elmyr ser considerado um artista? A noção de artista e a de nome e reconhecimento do mesmo parecem ser indissociáveis. Esta questão dá origem ao momento mais pungente e honesto do filme, em que Welles reflecte quase como se suspirasse e a sua própria voz, antes teatral e forte, se vergasse perante a realização do poder do homem de transcender a sua finitude. E que esta intemporalidade da obra não perde significado por não ser acompanhada pela herança de um nome. “Maybe a man’s name doesn’t matter all that much”, quando a arte constitui mais a prova da grandeza do Homem que de um homem em particular, quando o detalhe desaparece e só existirem ecos do que um dia será, inevitavelmente, um passado distante.

Tal como o nome dos trabalhadores da catedral nunca será lembrado, quando a memória e nome do falsificador desaparecer, o seu legado continuará a existir. Mesmo que não tenha o seu nome, o real engolirá o que outrora foi mentira e fraude, e um Modigliani de Elmyr será apenas um Modigliani.Nunca deixando de ser Elmyr, mas de tal ninguém saberá, como se de um truque que o mágico nunca revelou se tratasse. A fraude e a mentira só o serão se detectadas, e é tão fácil enganar quem está habituado a ter razão (como o espectador que não questiona, e o expert que não se concede a falhar), como provam os minutos finais do filme. A questão torna-se, então: Essa simples detecção provoca o retirar da obra do pedastal do que lícito ser arte? 

sexta-feira, outubro 05, 2012

10 Out: "A nossa forma de vida", no Passos Manuel



Dia 10 de Outubro, quarta-feira, a Milímetro faz a sua rentrée com A nossa forma de vida (2011), de Pedro Filipe Marques, filme vencedor do prémio Melhor Primeira Obra no doclisboa 2011. Desfaçam as dúvidas que ainda possam ter sobre ir depois de verem o trailer abaixo.

Às 22h, no Passos Manuel.




domingo, setembro 30, 2012

Esta 3ªf (2 Out.): "F, DE FRAUDE"

Design: Teresa Chow

É já esta 3ª feira, dia 2 Outubro, que o melhor cinema da UP volta à sala 0.01 (piso do bar), da Faculdade de Direito, com F, DE FRAUDE (1975), de Orson Welles.

A sessão tem início às 18h15, com a apresentação do Tiago Ferreira (FCUP).

Até lá!

sexta-feira, setembro 28, 2012

Nova programação

Design: Teresa Chow


Caros cineclubistas e amigos,

O Cineclube FDUP está de volta!

Para este semestre, o Cineclube propõe uma programação rica e diversificada que, como sempre, tem como escopo fundamental a sensibilização para as diferentes estéticas e filmografias da história do cinema, procurando "saltar" entre épocas, correntes e geografias.  Deste modo permitindo ao público apalpar o terreno para, posteriormente - espera-se -, explorar mais por si e desenvolver os seus gostos próprios.

Assim, começaremos, já esta terça-feira, dia 2 de Outubro, com F, DE FRAUDE (1975), documentário paredes meias com a ficção (ou efabulação), assinado por um dos maiores realizadores da história, Orson Welles (com intervenção activa no próprio filme). Nova aposta, portanto, no registo documental (com as reservas acima mencionadas) por parte do Cineclube, e oportunidade para ver um dos filmes menos falados do cineasta americano.

A 16 de Outubro, Mizoguchi deixará de ser o único representante do cinema japonês no histórico das programações da casa. Nagisa Ôshima, um dos expoentes do cinema japonês pós-clássico, trará CONTOS CRUÉIS DA JUVENTUDE (1960), filme percursor da Nuberu Bagu japonesa, corrente integradora do movimento, mais genérico, das novas vagas que, por volta dos anos 60, e tendo em Godard, Truffaut e companhia o seu epicentro, emergiu um pouco por todo o mundo, desconstruindo a linguagem cinematográfica clássica e questionando os seus paradigmas teóricos e técnicos. No caso nipónico, a Nuberu Bagu significou, poder-se-á dizer, um duplo corte: cinematográfico, na medida em que revoluciona a forma de fazer cinema dos clássicos (Ozu, Naruse, Mizoguchi); e cultural, por retratar um Japão também ele pós-clássico, isto é, um Japão "ocidental", sob influência dos EUA, com tudo o que de mais virulento isso acarretou (o consumismo, a violência, a sexualidade, o rompimento da família, o desnorteamento da juventude, o abuso de bebidas alcoólicas, etc.).

30 Outubro será o dia de Sergei Parajanov, realizador em contra-corrente com a ditadura soviética da "arte socialista", e que teve em SOMBRAS DOS ANTEPASSADOS ESQUECIDOS (1965) um dos seus grandes filmes, fruto de um brilhantismo técnico e visual que o aproxima de Tarkovsky, não descurando, simultaneamente, o seu interesse pelo mundo rural e foclórico da Ucrânia soviética.

Seguiremos com O SABOR DA CEREJA (1997), o aclamado filme do iraniano Abbas Kiarostami, outra estreia absoluta no Cineclube, que lhe valeu a Palma de Ouro, em Cannes, em 1997

A fechar a programação para este semestre, nova aposta no cinema português, como que para deixar bem acessível aquilo (o cinema de autor nacional) que o mercado não deixa. Depois da exibição de "Mutantes", o Cineclube FDUP propõe aquele que é um dos grandes filmes na história do cinema português: O SANGUE (1989), o primeiro filme de Pedro Costa, realizador multi-premiado no circuito internacional, mas que tem vindo, no entretanto, a construir uma abordagem cinematográfica distante dessa primeira obra. Oportunidade, também, para apreciar dois grandes actores de uma geração: Pedro Hestnes e Inês de Medeiros.


Em Dezembro, o Cineclube oferecerá uma sessão especial e, quem sabe, algo mais!

Até terça-feira, às 18h15, na sala 0.01 (piso do bar). Todos convidados.

quinta-feira, setembro 20, 2012

Cursos de Cinema

Novos cursos de cinema, por David Pinho Barros, Mestre em Cinema pela Universidade Nova de Lisboa.





quarta-feira, setembro 19, 2012

back to school

(O meu maior desejo, 2011, Hirozaku Kore-eda)

Caros amigos,

O Cineclube FDUP prepara-se para voltar para mais um semestre com uma excelente e abrangente programação. Ainda sem anunciar surpresas, podemos dizer-vos para marcarem já nas vossas agendas a data da primeira sessão: dia 2 de Outubro (3.ª feira), 18h15.

Até lá... estejam atentos!

terça-feira, setembro 11, 2012

Ciclos Pequenos, no Cineclube da Maia



"Novos Direitos" é a proposta para Setembro do Cineclube da Maia. Com programação e apresentação da Prof.ª Doutora Luísa Neto, da FDUP.

sexta-feira, agosto 31, 2012

domingo, julho 15, 2012

WA American Express



Filme publicitário de Wes Anderson para a American Express.

domingo, junho 17, 2012

"É na Terra Não é na Lua" X 3



Dias 20, 21 e 22, a Milímetro exibe, no Cinema Passos Manuel, o multi-premiado (prémio principal no DocLisboa 2011) documentário do realizador português Gonçalo Tocha: "É na Terra Não é na Lua". Sempre às 21h30 (dia 21, excepcionalmente, às 22h).

quarta-feira, maio 30, 2012

Esta 6ª f.: LUBITSCH, no Passos Manuel




Esta 6ª f., 1 Junho, às 22h, no cinema Passos Manuel. Cortesia da Milímetro.

segunda-feira, maio 07, 2012

VII Ciclo: "A Justiça no Cinema", no TCA



Associação Jurídica do Porto, em parceria com a Associação Sindical dos Juízes Portugueses - Direcção Sindical Norte e o Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, realizará o VII ciclo de cinema jurídico "A Justiça no Cinema", no Teatro do Campo Alegre, no Porto.

Indie Lisboa 2012 : A Casa, de Júlio Alves


Apesar da longa carreira (leia-se difícil sobrevivência) no cinema, A Casa é apenas a primeira longa metragem de Júlio Alves, pontuada por várias curtas de relativo sucesso.

 A Casa, filme a que lhe assenta bem a frieza linguística do título, bem mais impessoal que a tradução inglesa “The Home”.  E é exactamente essa frieza da abstracção do que significa uma casa, que antes de ser uma home é um mero edifício, um conjunto desconjuntado de materiais (sendo que o realizador faz questão de abusar desta subtileza, que só o é nos primeiros planos).

 Antes da concretização do desenho, do sonho de outrem, outros sonhos moram lá. Sonhos esses alimentados pela criação de raízes alheias, que é do dinheiro que a matéria destes se torna concreta. António, Zé Maria e João, são os trabalhadores que habitam a casa e a acompanham na sua fase embrionária de vida, a forma-la antes de ela ter personalidade.

Vários destinos são ali cimentados, sendo daí que o filme extrai a sua força e sentido, da dicotomia existente entre o fim do processo de construção representar um novo local de habitação para x pessoa, instituição sem rosto, e ao mesmo tempo significar o fim de um capítulo de vida para os trabalhadores que acompanhamos.

Filme que cumpre aquilo a que se propõe - esse clássico eufemismo para filme pouco ambicioso- apesar de sustentado por ambições. Ambição de uma vida melhor, de uma vida diferente, de trabalhadores emigrantes, que apenas procuram a matéria prima para construir uma casa que possam chamar sua.

IndieLisboa 2012: "De Jueves a Domingo", de Dominga Sotomayor


"De Jueves a Domingo", a primeira longa-metragem da chilena Dominga Sotomayor, estreada em competição e premiada no Festival Internacional de Roterdão, venceu nesta edição do IndieLisboa o Grande Prémio de Longa Metragem “Cidade de Lisboa”.

Esta é uma obra que não se identifica com um só género cinematográfico. Começa por sugerir um road movie, quando uma família inicia uma viagem longa de automóvel, para o norte do Chile, em busca de um terreno que ninguém sabe exactamente onde é. (Um pormenor que nos faz recordar o filme de Wim Wenders, em que Travis vive obcecado com a propriedade que comprara no meio do deserto, em Paris, Texas.) 

A certa altura, porém, apercebemo-nos de que não é uma simples viagem de férias. Através do olhar de Lucía, a filha mais velha, observamos a ruptura iminente do casal, ainda que subtil. Os silêncios prolongados e desconfortáveis acabam por ser o mais forte sinal da falta de entendimento entre os pais que - descobrimos mais tarde - já se haviam "separado" ainda antes da partida. É esta saliente componente dramática - ainda que partilhe um pouco da apatia e desprendimento associados ao road movie, que faz com que "De Jueves a Domingo" se trate de um híbrido de géneros. 

Ainda assim, o divórcio parental acaba por perder importância face ao aspecto mais forte do filme, que é o seu registo familiar, o do retrato fiel da infância. Percebe-se que entre o banco da frente e o de trás há uma forte barreira, ainda que invisível, que divide dois mundos muito distintos. 

A descrição desse mundo à parte, das crianças, é tão fidedigna que nos faz recordar a nossa própria infância de uma forma pouco habitual, transcendendo a mera referência. Os banhos de rio, as primeiras lições de condução, a vista da janela traseira do carro com a marca gravada no canto inferior do vidro, as birras intermináveis e a cedência dos pais (às vezes não), as mais insólitas posições no banco do carro numa viagem longa, a rivalidade entre irmãos (o nível do sumo no copo, que deve ser milimetricamente igual), os sons da consola de jogos, tudo é ternurento e nostálgico, sem cair nos exageros cor-de-rosa, evitando a felicidade perfeita e cristalizada que, mesmo nessa idade, não existe.

É neste contexto que a estrutura familiar clássica - pai, mãe, filho e filha, se desconstrói, à medida que as memórias se desvanecem e Lucía cresce, no tempo de um filme.

quarta-feira, maio 02, 2012

IndieLisboa 2012: Competição Internacional Curtas 6



Le facteur humain ("O Factor Humano")
Thibault Le Texier, França, 2011, 28’

Para ilustrar os métodos de administração científica popularizados por Frederick Taylor (o conhecido "Taylorismo"), Thibault Le Texier seleccionou inúmeras imagens de filmes institucionais americanos realizados a partir da década de '70, disponíveis em arquivos para livre utilização, bem como alguns textos de manuais de gestão do início do séc. XX.

Este trabalho de edição não é, porém, um puro documentário, na medida em que recorre a instrumentos ficcionais, através da narração de um conjunto de cartas escritas pelo autor. Ouvimos uma conversa conjugal, entre o marido engenheiro que se deslocou para uma fábrica para aplicar os princípios Tayloristas e a mulher que se entusiasma com estas ideias e acaba por também as adoptar nas lides domésticas.

Apesar de reconhecermos nesta obra um esforço sério de pesquisa e reconstrução histórica, sentimos que teria como fim mais útil a sua inserção num qualquer programa escolar de História, aliando aspectos lúdicos e pedagógicos.








Mupepy Munatim

Pedro Peralta, fic., Portugal, 2012, 18’

"Mupepy Munatim" é o projecto final de Mestrado em Estudos Fílmicos de Pedro Peralta, estudante da Universidade Lusófona, e segue o percurso de um homem que, tendo partido para França, regressa a Portugal para procurar a campa da sua mãe. 

Desde o bairro do Zambujal, passando pela Igreja de Odivelas, até ao prado onde mãe e filho se reencontram, sob uma árvore frondosa, os planos são poucos e longos, mas não especialmente belos ou contemplativos. Não que haja muito a dizer, mas acaba por não haver também muito sentimento nesta procura, neste caminho de lembrança e de saudade. Para evocar tais recordações, resta-nos apenas a música, cantada em Kikongo, para nós o único momento encantador desta pequena obra.




Les navets blancs empêchent de dormir
Rachel Lang, fic., França/Bélgica, 2011, 27’

"Os Nabos Brancos Impedem de Dormir" é a segunda parte de uma trilogia de filmes que partilham a mesma actriz principal, Salomé Richard, seguindo-se a "Pour Toi Je Ferai Bataille, o trabalho de final de curso de Rachel Lang que recebeu no Festival de Locarno o Leopardo de Prata, na categoria de curtas-metragens.

Ana e Boris têm um relacionamento à distância, e quando ela se dirige a Bruxelas para o visitar, apercebe-se de que, depois de cinco anos em permanentes rupturas e reconciliações, talvez tenha chegado o momento da separação definitiva. 

Depois de uma festa algo descontrolada e de uma noite de insónia devida à ausência de Boris para "comprar tabaco", (apesar de haver quem diga que são os nabos brancos que impedem de dormir, têm demasiada Vitamina C), Ana decide-se. Ele responde-lhe que sabe que ela regressará, que nunca ninguém o amou tanto como ela, "sem contar com a mãe". 

Nesta teia intrincada de emoções e reviravoltas sentimentais, de silêncios e desilusões, Rachel Lang descreve com solidez e realismo as dificuldades dos relacionamentos naquilo que ela diz ser uma tragicomédia, em que o tema principal é intercalado com pequenos apontamentos cómicos, como o da amiga que tem o aquecimento avariado e usa o forno para aquecer a casa, aproveitando entretanto para fazer dezenas de bolos ou do soldado atiradiço que é rejeitado com uma só tirada sarcástica da nossa protagonista.




Sielunsieppaaja/Soul Catcher
PV Lehtinen, doc./exp., Finlândia, 2011, 14’

Esta curta-metragem finlandesa insere-se na categoria do documentário experimental, e relaciona genericamente três temas. 

Observamos, em primeiro lugar, uma colónia de formigas na sua labuta frenética. Depois aparece um grupo de veraneantes numa praia próxima de Helsínquia, filmados ora em plano fixo, modo retrato, ora em movimento rápido, numa perspectiva semelhante à das formigas. Por último, vemos uma família Masai, por vezes enquadrada no interior de uma câmara fotográfica de grande formato, numa subtil referência à crença de que a fotografia rouba a alma do sujeito fotografado. 

Filmado sem diálogos, este filme baseia-se no poder da captura da imagem fotográfica para cristalizar uma essência humana ou natural. 


IndieLisboa 2012: The Last of England, de Derek Jarman (1987)


  Existem filmes difíceis de criticar. Por não se conseguir discernir uma linha de história obvia e linear, tão útil para a compreensão do normal espectador como do critico atento a qualquer incongruência que o permita disparar mecanicamente os já estudados adjectivos padrão, ou pior, filmes com ausência absoluta de narrativa estruturada, de desenvolvimento de personagens, de lugares comuns onde déjà-vus fílmicos possam acontecer, para descanso do critico que não pode simplesmente rotular o filme de “experiência sensorial”.

Last of England é seguramente uma dessas experiências sensoriais, uma febril colagem de visões anunciadoras de uma Inglaterra pós-apocalíptica, tão avant-garde na forma que apresenta, como na clarividência profética do declínio.

Um punk a caminhar nas ruínas de uma civilização, um bebé sozinho rodeado de jornais como representantes institucionais de um conhecimento geral do fim, uma viúva a rasgar o vestido de noiva numa dança furiosa com as memórias, enquanto tudo à volta arde. São estas as declarações filtradas pelo psicadelismo contestatário e supostamente subtil da mente de Jarman, constituindo uma certidão de óbito do futuro da nação britânica, sem palavras e construído como poema visual, ainda que visceral e negro, como o poema Howl de Allen Ginsberg (um dos representantes da Beat Generation), fazendo sentido que conceptualmente entrecruze o imaginário selvagem na forma de fotogramas de Jarman.

Apesar das valências óbvias deste filme em categorias de originalidade e técnica, sendo que a materialização do imaginário é muitas vezes impressionante visualmente, e o sucesso de Jarman em conseguir retratar uma paisagem coesa de destruição e abstracto fim, sentimos que a mensagem e o móbil de toda estas imagens mentais são sempre a mesma, ideologicamente clichés. Mas o filme é imensamente pessoal, dizendo respeito aos medos e considerações do realizador, que faz filmes enquanto tudo à volta dele arde, no auto-de-fé dos seus valores morais. 

Como apenas podemos especular sobre a nossa capacidade de interpretação de tal obra e pessoa, podemos só humildemente considerar que existem filmes difíceis de criticar.

terça-feira, maio 01, 2012

IndieLisboa 2012: Cut, de Amir Naderi (2011)





A premissa deste filme japonês de realizador iraniano (Amir Nadeni) não podia ser mais interessante: a de um homem cujo amor ao cinema o leva a pôr em risco a própria vida

Shuji é um jovem (aspirante a) realizador em dificuldades económicas, cuja principal ocupação é a projecção de filmes no terraço do seu prédio, para uma mão-cheia de fiéis espectadores. Cartazes de filmes e realizadores e programas de sessões forram o apartamento de alto a baixo, cobrindo paredes, tecto, portas, até janelas, como se toda a luz e ar que entrassem fossem filtrados pelo cinema.

Nos tempos livres, empunha um megafone pelas ruas de Tóquio, gritando para as multidões apáticas  e apressadas aquilo que todos sabem mas se cansaram de dizer: o cinema de autor, enquanto criação e arte, perdeu o lugar para o cinema de mero entretenimento, que nasce e morre no espaço hermético dos multiplexes, também porque não está, à partida, destinado à posteridade. A propósito disso, e contra certas ideias feitas de que o cinema autoral é elitista, abstracto e intransponível, Shuji relembra também que o bom, o grande cinema clássico, é intemporal, e se cultiva, se educa, se sensibiliza, também diverte, também entretém; não há necessariamente uma cisão entre os dois mundos.

Esta paixão – fanatismo? - absorvente não lhe permite dedicar-se a qualquer tipo de trabalho, e assim, quando um dia é confrontado com o assassinato do irmão e a herança da sua dívida astronómica para com uma organização mafiosa, Shuji não tem outra hipótese senão vender o corpo de uma forma inusitada, leiloando a face e a integridade, tornando-se um saco de boxe humano, trocando socos por dinheiro.

Para resistir à tortura voluntária e vingar a memória do irmão, Shuji exige que a arena seja o quarto-de-banho imundo onde ele foi morto. Enquanto é espancado, relembra com fervor religioso todos os filmes que exibiu, todas as grandes obras que o marcaram mais profundamente que os golpes que agora lhe infligem. Quando regressa a casa, ao final do dia, adormece no embalo do som da película a ser projectada.

O vermelho-sangue, tom dominante do filme, é pontuado por cenas a preto e branco, em que Shuji se dirige às campas dos grandes realizadores japoneses – Kurosawa, Ozu, Mizoguchi, para lhes prestar homenagem e rezar por inspiração para que consiga criar algo à sua altura, em sua honra e do Cinema.

Apesar disto, “Cut” eventualmente cai na monotonia da violência e na repetição do discurso purista, o que acaba por retirar alguma força à mensagem valiosa que subjaz ao filme – uma metáfora fortíssima dos obstáculos que um criador cinematográfico enfrenta na construção do seu percurso, na criação e divulgação da suas obras, que se torna ainda mais relevante pelo seu pendor autobiográfico, uma vez que o realizador, Amir Naderi, se exilou nos Estados Unidos nos anos '80 e também ele abdicou da sua vida para se dedicar exclusivamente ao cinema.


segunda-feira, abril 30, 2012

IndieLisboa 2012: Terri, de Azazel Jacobs (2011)



Terri , inadaptado social na proporção da sua gordura corporal e miríade de pijamas que constituem o seu uniforme personalizado na escola (embora estes sejam de uma elevada maleabilidade social, sendo que inclusive dispõe de um elegante pijama negro para funerais, embora todos eles fazendo um belo pandam com a sua reconhecida estranheza naquele meio).

Seguindo as clássicas etapas de retrato de um coming of age de uma adolescência atormentada pela percepção de ser um monstro, comparando com a dita normalidade ( que neste tipo de filmes é sempre retratado através de putos imbecis que dificilmente o alibi hormonal desculpabiliza, exactamente para reforçar o sentimento de incompreensão da personagem), Terri demonstra os típicos sinais de exclusão no seu comportamento escolar, chegando atrasado à escola, notas a descer, e o já referido hábito de usar pijamas todos os dias (dificilmente será este um sinal típico, antes Terri como trendsetter).

Estes sinais são interpretados por Mr. Fitzgerald, que se revê nessa condição, pelo facto de ter tido um passado semelhante; o que aliás atesta a tese que uma das ilações morais do filme seria a de que as pessoas apenas agem numa base de compaixão (como no caso de Heather, mas já lá iremos).

Mr. Fitzgerald é uma espécie de professor Xavier com o seu séquito de Mutantes, de quem não conhecemos as qualidades, apenas as maleitas que os tornam representantes de uma singularidade não socialmente aprovada.

Para além da ajuda deste raro paladino do sistema escolar, outra das parcas relações que o protagonista mantem é com o seu tio, com quem vive. Porém, neste caso a posição de dependência é inversa à encontrada na esfera escolar, porque Terri é a autoridade, devido ao Alzheimer que o tio sofre.
Através de Terri e das suas relações, forma-se um encapsular do afastamento provocado por um existencialismo social, nas três grandes idades do homem: Terri representando a adolescência; Mr. Fitzgerald na idade adulta, apesar do estigma supostamente ultrapassado deste encontrar validade de testemunho para os seus semelhantes de diferente geração. O Tio é também um outcast, porque a sua condição médica incapacita-o de possuir a habilidade humana de reter todo o conhecimento das formalidades sociais, sendo ele a personagem tipo da 3º idade, incapaz de definir o seu próprio destino.

O filme apresenta-nos também uma passageira ocasional neste mundo, a referida Heather, condenada à queda sempre vertiginosa na mobilidade social, pela sua má conduta a roçar o sexual numa aula.

A aparente falta de novidade da história podia ser ultrapassada com um bom argumento/decente/outro qualquer, sendo que este é tão previsível e cliché como as situações que pretende retratar. Obviamente que falamos de um filme que não é um decalque conceptual do clássico filme de adolescentes, devido a à solidez técnica que o sustenta, naquele espirito indie que o coloca na escola genérica de grande parte das submissões para o festival de Sundance.

O Cineclube FDUP vai ao IndieLisboa


Durante os próximos dias, o Cineclube FDUP marca presença  no IndieLisboa e irá publicar as suas escolhas de programação deste Festival de Cinema Independente.

Para quem também tenha vindo e queira partilhar a experiência, enviem as vossas críticas e opiniões sobre os filmes que preferiram - ou que desiludiram, as salas retro de cinema forradas a veludo, as after-parties, ou conversas com realizadores à porta do cinema.

Aos que não vierem, esperamos que fiquem com curiosidade e nos façam companhia para o ano.

quarta-feira, abril 25, 2012

Vencedores do Passatempo IndieLisboa

Aqui fica a lista dos 20 vencedores do passatempo IndieLisboa. 
Parabéns e bons filmes!

Francisco Gonçalves Silva
Helena Estrela Baptista Vasconcelos Barbosa
João Tiago da Silva Freitas
Daniel Filipe Viana Martins
Marcelo João Rodrigues Pereira 
Mariana Coimbra
Inês Monteiro Lopes
Ana Isabel Soares
Graziela Achando de Almeida Pinto da Costa
Betânia Liberato
André Figueiredo
Andrea Cristina Rodrigues Martins
Andreia Valente Ferreira Borges
Cátia Bandeiras
João Micael Oliveira Damião
Marlene Isabel Bernardino
Ana Rita da Silva Castro
Francisca Siza Vieira
Maria Catarina Alves
José Diogo Correia de Carvalho