segunda-feira, março 08, 2010

Ensaio sobre a loucura

Home (2008), de Ursula Meier com Isabelle Huppert, ensaia a história de uma família de cinco, que vive numa moradia encravada e dividida por uma auto-estrada que foi construída, mas que não é utilizada, usufruindo da estrada para conseguir ir por um caminho de terra até à cidade, para conseguir chegar à sua caixa de correio e para conseguir mandar os miúdos para a escola. Basicamente a estrada serve de prolongamento ao que anteriormente seria o resto do jardim, tendo crescido completamente desenquadrada do resto.

O problema é que a estrada que estava abandonada, passa de um dia para o outro a ser utilizada, depois das devidas obras que faltavam concluir, surgindo então uma nova auto-estrada, capaz de fazer milagres de condução aos seus utilizadores que passam a encurtar as suas viagens de casa para o trabalho. Isto, a cerca de 15 metros, se tanto, da casa. Colado ao jardim que todos os dias preenchia o dia da filha mais velha cuja única actividade na vida é apanhar sol no jardim. Pelo meio junta-se a filha nerd que vive na paranóia do envenenamento por chumbo, o marido que tem de deixar o carro do lado de lá da estrada porque a casa passa a estar encravada no meio do nada, o filho pequeno que descobre o túnel por onde podem ir de um lado para o outro e a mãe completamente neurótica e dona de casa que continua a tentar a levar a sua vida normalmente embora tenha trânsito a passar-lhe mesmo diante dos olhos dia e noite sem parar.


E à medida que os dias passam percebe-se que os comportamentos se vão alterando, que as características de cada um ficam cada vez mais vincadas e que vão ficando eléctricos, como se houvesse algo externo a perturbá-los. Principalmente a mãe, vai assumindo comportamentos estranhos e fora de lógica, enquanto que a única personagem que parece viver alheia de tudo é a que se continua a deitar no relvado, ignorando os carros e os camiões que apitam ao ver uma jovem, que desnuda, se estende ao sol.

Claro que um espectador atento vai pensando em várias alternativas para a pobre família que vive atormentada com o ruído constante dos carros, com a falta de privacidade e com um isolamento total face ao outro lado, onde todas as coisas parecem ficar. Contudo, tudo o que eles decidem fazer é o que qualquer pessoa normal não faria, tomando as decisões mais estranhas de todas as que estariam ao seu dispor. O que nos coloca a inevitável questão: até onde estaríamos dispostos a ir pelo nosso lar?

Critica por Daniela Ramalho

3 comentários:

Pipette disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pipette disse...

Esse título resume o filme!

E as fotografias são fabulosas...

Anónimo disse...

It's so easy to choose high quality [url=http://www.euroreplicawatches.com/]replica watches[/url] online: [url=http://www.euroreplicawatches.com/mens-swiss-watches-rolex/]Rolex replica[/url], [url=http://www.euroreplicawatches.com/mens-swiss-watches-breitling/]Breitling replica[/url], Chanel replica or any other watch from the widest variety of models and brands.